Divulgado pela American Health Association, o estudo de Lungberg JO mostra que, no organismo, o nitrato transforma-se em óxido nítrico, que é um potente vaso dilatador

 

O estudo de Lungberg JO e outros estudiosos que foi divulgado pela American Health Association, situada na cidade de Chicago, nos Estados Unidos, comprova que a ingestão de frutas e vegetais previne possíveis problemas cardiovasculares, sendo um deles a hipertensão.

O estudo dá destaque para verduras de folha verde, como a alface e o espinafre, e também para a beterraba, que foram os alimentos utilizados na pesquisa.

Foi descoberto que 25% de nitrato ingerido entra na circulação sanguínea e que, ao encontrar um meio ácido como o do estômago, é diminuído em óxido de nitrato, tornando-se, assim, um ótimo vaso dilatador, condição que previne o aumento da Pressão Arterial (PA).

Comparando pacientes que beberam suco de beterraba com outros que beberam água, ficou comprovado que os primeiros conseguiram manter os índices de concentração de nitrato por até seis horas no organismo. A pressão atingiu 10 mmHg na sistólica (alta) e 8 mmHg na diastólica (baixa) e ocorreu uma melhoria na função de prevenção de doenças no coração.

Em complemento a um estudo anterior de Benjamin, ele também mostra que é ideal o consumo de nitrito, nitrato e ácido nítrico providos de vegetais, que comprova também a diminuição de infartos no miocárdio. Sendo assim, a Associação indica o consumo de vegetais para os devidos fins e orienta aos pais que incorporem tais alimentos desde cedo na alimentação de seus filhos, para que a prevenção realmente aconteça.

Aplicando à realidade

O tratamento da hipertensão envolve vários aspectos além da medicação, incluindo modificações dietéticas e comportamentais. Essas mudanças se dão pelo controle do peso e do estresse, pela prática de atividade física, abstenção do fumo e por medidas nutricionais.

Segundo a nutricionista, Dra. Marcela Meni Rozendo, um plano alimentar saudável, equilibrado e próximo à realidade resulta em maior adesão ao tratamento.

“Sabemos que o consumo de sódio está relacionado diretamente com o aumento da PA, porém não existe o foco em apenas um único nutriente ou alimento. Estudos demonstram que a ingestão de ácidos graxos insaturados (principalmente ômegas-3, 6 e 9) e de fibras mostra a redução nos níveis pressóricos”, completa.

Sabe-se também que o aumento do consumo de alimentos fontes de potássio ajuda a controlar os níveis da PA. Dessa forma, o consumo de frutas e vegetais, alimentos naturalmente ricos em potássio, está associado à diminuição da PA.

Vale ressaltar que esses alimentos não são apenas fontes de potássio, mas também de outros nutrientes, tais como magnésio, antioxidantes e fibras, que são importantes reguladores da PA e vasoprotetores.

A Dra. Marcela ainda complementa que dentro desse contexto, a dieta DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension = Métodos para Combater a Hipertensão Através da Dieta) tem sido recomendada pelas diretrizes da Sociedade Brasileira de Hipertensão como alternativa de prevenção e controle não medicamentoso da hipertensão arterial.

Trata-se de um plano alimentar baseado no consumo de frutas, hortaliças e laticínios com baixo teor de gordura, com inclusão de cereais integrais, frango, peixes e oleaginosas e redução da ingestão de carne vermelha e açúcar.

Para garantir o aporte desses nutrientes, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo regular e diário de 400 g de frutas e vegetais para diminuir o risco de doenças crônicas (como a hipertensão) e ajudar na manutenção do peso corporal.





Tags: plano alimentar; problemas cardiovasculares; hipertensão arterial



Deixe seu comentário

Para comentar ou responder, você precisa se cadastrar ou estar logado.


0 Comentários