Contraceptivo deve ser usado apenas em caso de emergência e não substitui o anticoncepcional de uso contínuo.

 

A pílula do dia seguinte é um contraceptivo de emergência e deve ser usada em situações em que houve relação sexual desprotegida, como quando a camisinha estoura ou por qualquer motivo não é usada, quando se esquece de tomar o anticoncepcional ou em casos de violência sexual, por exemplo.

Por essa capacidade de evitar uma possível gestação mesmo após o sexo desprotegido, a pílula impressiona. Pode até dar a impressão de que ela é tão poderosa que é capaz de ajudar na prevenção durante o mês inteiro, o que permitiria abrir mão de outros métodos contraceptivos. Mas essa não é a realidade. A pílula do dia seguinte pode evitar a gravidez quando é tomada até 72 horas depois da relação sexual desprotegida, mas não oferece proteção para relações posteriores.

Desta forma, após tomá-la, é necessário buscar outros métodos de proteção para evitar a gravidez indesejada. Vale ressaltar também que o medicamento não serve para prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Assim, recomenda-se sempre o uso da camisinha, que previne ambas.

Como retomar a pílula normal após tomar a do dia seguinte

Quem já faz uso do anticoncepcional comum deve interromper a cartela atual depois de tomar a pílula do dia seguinte e aguardar a próxima menstruação para iniciar uma nova cartela. Em mais da metade das mulheres, a menstruação acontece dentro do período esperado, mas não se espante se não for esse o seu caso: de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 15% dos casos a menstruação atrasa em até 7 dias, em 13% dos casos atrasa mais do que 7 dias e em outros 15% ela é antecipada em até uma semana.

A pílula do dia seguinte tem como base a progesterona, que em doses altas inibe a ovulação. Por ter uma uma quantidade elevada de hormônios, o medicamento não pode ser utilizado como substituto do anticoncepcional convencional, já que os efeitos colaterais podem ser bastante desconfortáveis. Ele também não deve ser tomado com frequência porque o uso repetitivo compromete sua eficácia ao longo do tempo e pode desregular o ciclo menstrual.

É possível encontrar a pílula do dia seguinte em qualquer farmácia em dois tipos: 1 e 2 comprimidos. Caso escolha a segunda opção, é indicado tomar o segundo comprimido 12 horas após o primeiro. Mas não se esqueça: o contraceptivo de emergência só deve ser usado em situações excepcionais e é sempre recomendado ter o apoio de um médico para tirar todas as dúvidas.





Tags: contraceptivo de emergência, contracepção, ciclo menstrual



Deixe seu comentário

Para comentar ou responder, você precisa se cadastrar ou estar logado.


0 Comentários