A atividade física na terceira idade é primordial

De acordo com o IBGE, a expectativa de vida dos brasileiros aumentou para 75,5 anos. Com o crescimento de pessoas com maior idade, os cuidados com esta faixa etária passaram a ter mais atenção. Por isso, os exercícios físicos são primordiais para manter a saúde física e mental em dia.

“A prática de exercício físico, além de combater o sedentarismo, contribui para a manutenção da aptidão física do idoso. A atividade vai influenciar na autonomia, ele vai começar a realizar o que não fazia, podendo se tornar uma pessoa independente”, afirma a fisioterapeuta Fernanda Vallinari.

Com o envelhecimento, aspectos biológicos, fisiológicos e psíquicos vão se modificando. “Manter o corpo em constante atividade física conserva suas funções vitais e o bom funcionamento. O corpo humano precisa ser movimentado regularmente para manter todas as suas funções e estes movimentos não podem se limitar às tarefas da vida diária, como sentar, levantar e brincar com os netos. A prática de uma atividade física regular e orientada fortalece músculos, articulações, ossos, além de aumentar a capacidade respiratória, a resistência física e facilitar a circulação sanguínea”, conta Michelle Mantovanelli, coordenadora de Fisioterapia da Sainte Marie.

Restrições

A prática do exercício físico é livre, a partir do momento em que se tem a liberação médica. “Quando há alguma restrição, como: pressão alta, diabetes, osteoporose, doenças pulmonares, doenças cardíacas, orienta-se o exercício físico com profissionais da área, assim possibilitando o idoso usufruir o melhor que o seu corpo pode lhe oferecer”, comenta Fernanda.

“Aos idosos que possuem algum dos problemas, é de extrema importância que sejam acompanhados por uma equipe especializada para uma boa alimentação, orientação sobre quais exercícios são os mais adequados para beneficiar o corpo e mente de formas saudáveis. A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a saúde como ‘um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades’”, completa.

Evita quedas

Com o envelhecimento, o desempenho físico e a independência funcional diminuem, aumentando o risco de quedas e fraturas. “Grande parte do declínio da força muscular na velhice parece ser em função do DESUSO do sistema neuromuscular do que do processo de envelhecimento em si. Exercícios de fortalecimento muscular, alongamentos, exercícios de equilíbrio, propriocepção e  treino de marcha, ajudam idosos a ganhar massa muscular, desempenho e coordenação, minimizando assim os riscos de queda”, conta Michelle.

Benefícios para a saúde

De acordo com Fernanda, são inúmeros os benefícios da atividade na terceira idade. Com a prática, podemos gerar:

  • Autonomia e bem-estar;
  • Aumento da massa muscular e óssea;
  • Perda de gordura (podendo ser associada a uma boa alimentação);
  • Estímulo ao metabolismo;
  • Combate ao processo  inflamatório;
  • Melhora das capacidades funcionais;
  • Bem-estar físico e mental;
  • Estímulo aos aspectos cognitivos (atenção, memória e percepção);
  • Menor risco de desenvolver doenças e o aprimoramento das qualidades do indivíduo, permitindo realizar as atividades diárias com mais conforto e independência;
  • Um melhor convívio social;
  • Melhor interação para desenvolver atividades culturais e recreativas e envolvimento em projetos para idosos, potencializando, assim, um envelhecimento ativo!

Fisioterapia

“A fisioterapia pode auxiliar o idoso a prevenir perda de funcionalidade, manter e melhorar sua capacidade motora nas atividades diárias, aumentando sua flexibilidade. O fisioterapeuta pode atuar com movimentos ativos, alongamentos, que treinem o equilíbrio, propiciando ao idoso a melhora na sua qualidade de vida, aproximando-o da superação das suas limitações”, conta Fernanda.

Dicas do educador físico

Já vimos as vantagens da prática de exercícios físicos na terceira idade, mas por onde começar? O educador físico Alex Adriano Gonçalves alerta que procurar um médico deve ser a primeira atitude da lista:

  • Procurar um médico e realizar uma avaliação física para saber como está a saúde e se existe alguma limitação para a atividade que se quer executar. Para o idoso, é ainda mais necessário devido a algumas restrições normais da faixa etária;
  • Procurar um educador físico e ter em mãos exames clínicos. A partir disso, ele vai desenvolver um treino ou indicar uma atividade que corresponda com o tipo de aluno;
  • Respeitar sempre as limitações do corpo;
  • Também é importante procurar espaços e atividades adequadas à terceira idade.

As práticas mais indicadas para os idosos são musculação (fortalecimento, prevenção), atividades aeróbicas de baixa intensidade, como caminhadas, hidroginástica, dança, natação, yoga, pilates, e atividades em grupo que podem ajudar tanto na parte corporal, como na social.

A frequência deve ser de 3 a 4 vezes por semana, com a duração de 30 a 45 minutos por dia de treino. “Já para quem quer praticar sozinho, os exercícios mais indicados são caminhada, alongamento ou pilates”, afirma o educador físico.

“A atividade física nesse momento da vida é muito bem-vinda, pois previne o surgimento de doenças crônicas, como o diabetes, a hipertensão, entre outras, além de diminuir dores causadas pela artrite e artrose, por exemplo. Outro benefício é o fortalecimento muscular, que ajuda diminuindo o risco de quedas e, claro, o aumento da autoestima e do bem-estar também está entre os benefícios”, completa.





Tags: atividade física, terceira idade, sedentarismo, idosos



Deixe seu comentário

Para comentar ou responder, você precisa se cadastrar ou estar logado.


0 Comentários